sábado, 29 de janeiro de 2011

Sempre em cima!

A nossa escola continua dedicada em fazer crescer o bosque autóctone...

E o que menos falta é ajuda!

Os alunos do projecto Vita Foliacea juntamente com os alunos inscritos no Projecto Estufa continuam em cima das árvores, que já começam a crescer a olhos vistos!

Aqui vão algumas imagens dos nossos trabalhos.


O nosso trabalho tem sido principalmente a preocupação em fazer um novo recenseamento e limpar as ervas que vão crescendo à volta das futuras árvores e arbustos!

Um dos folhados (Viburnum tinus) que plantámos!




Estamos sempre atentos se as plantas estão a dar-se bem (o que felizmente aconteceu na grande maioria!).



Porque, na verdade, este é um trabalho que nos anima bastante!!

video
Estão todos em acção.

video
Aqui está um exemplar de um dos nossos medronheiros, ainda firme.

Em breve colocamos também algumas fotos das bonitas plantas que já temos!

Um grande obrigado à prof. Isabel Dumiense pelas imagens e vídeo :)

sábado, 9 de outubro de 2010

De volta às aulas!

Novo ano, novos planos!

Os Bolotas continuam com toda a vontade de trabalhar, e por isso preparem-se para mais novidades! Estamos a contar dinamizar ainda mais a nossa escola e continuar com um trabalho que vai para além do concurso.

sábado, 8 de maio de 2010

Dia Internacional da Biodiversidade

Alterações Climáticas e Perda de Biodiversidade: Portugal Será um dos Países da Europa mais Afectados

A Terra está a perder biodiversidade a uma taxa sem precedentes. No Dia Internacional da Biodiversidade, 22 de Maio, as alterações climáticas voltam a constituir a preocupação central assumindo-se como uma das maiores ameaças à diversidade de vida no Planeta, juntamente com a destruição de habitats, poluição e proliferação de espécies invasoras.

Fonte: QUERCUS

Algumas espécies já se revelam em estados de adaptação!
É aqui que entra o mecanismo de selecção natural! Algumas espécies (poucas) são passíveis de se adaptarem - alterando os seus cursos migratórios, ciclos de vida, etc - Mas há outras (muitas) que são mais (ou mesmo extremamente) sensíveis a ligeiras alterações de temperatura (e.g. corais - que ficam descolorados), de humidade (e.g. algumas espécies arbóreas que secam e morrem). Os exemplos são infindáveis, mas a realidade é uma: A nossa biodiversidade continua a sofrer e a morrer sem gerar descendentes que consigam resistir a estas bruscas alterações.

A Biodiversidade também é necessária no combate às alterações climáticas.

A ligação entre a biodiversidade e as alterações climáticas funcionam em ambos sentidos: a biodiversidade é ameaçada pelas alterações climáticas induzidas pelo Homem, mas os recursos da biodiversidade podem reduzir os impactes sobre as pessoas (...)
Estima-se que a desflorestação actual seja responsável por 20% das emissões de CO2 (...)

Fonte: QUERCUS

Os nossos ecossistemas estão cada vez mais fracos. Eles conseguem metabolizar, por assim dizer, a acção do Homem quando esta não é extrema. Mas isso não acontece.
Tomemos por exemplo as ilhas da Páscoa que são um exemplo tornado famoso pelo filme "HOME":
As ilhas da Páscoa estão isoladas no meio do Oceano Pacífico, e lá residia uma pequena civilização que, aparentemente, era extremamente desenvolvida.
Eles tinham tecnologia avançada para a altura, e foram evoluindo. Mas quanto mais evoluíam mais recursos consumiam até que a Natureza se saturou e não conseguiu acompanhar.
As ilhas eram repletas de bosques e espécies arbóreas que foram rapidamente consumidas pela necessidade dos habitantes da ilha até que desapareceram todas. Apesar dos óptimos navegadores, não havia madeira para construir canoas para irem pescar e não havia lenha para se aquecerem. Sem as canoas e sem a pesca, o número daquela pequena grande civilização entrou em declínio até que desapareceram completamente.
Hoje, como vemos, a ilha tem novamente verde como seu casaco, seja em pequena erva ou arbustos, seja em árvores de grande porte.
Este exemplo serve para mostrar que, no fim, a Terra não morre. Quem morre somos nós!

Os nossos ecossistemas são o equilíbrio e cabe-nos a nós (Homem) zelar por nós e zelar pelas espécies que não são dotadas de uma consciência racional como a que nós temos.

Está tudo ligado! Lembrem-se: Somos todos vizinhos, ainda que apenas um inquilino seja capaz de pensar racionalmente e responder pelo bem (ou mal) de todos!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Cartografia de Risco: Mapa de perigosidade de incêndio florestal

Em Portugal continental os prejuízos elevados resultantes da destruição de edificado e de vastas áreas de povoamentos florestais dos quais as populações retiram rendimentos, justifica a necessidade de se avaliar a perigosidade de incêndio florestal.

Em Portugal continental os prejuízos elevados resultantes da destruição de edificado e de vastas áreas de povoamentos florestais dos quais as populações retiram rendimentos, justifica a necessidade de se avaliar a perigosidade de incêndio florestal.

A utilização de variáveis com forte relação espacial para elaboração de um mapa de susceptibilidade e respectivas curvas de sucesso e de predição, com recurso a validação independente, permitem avaliar a perigosidade para todo o país, com base probabilística associada a cenários.

Com um compromisso eficaz entre o número de variáveis e a capacidade preditiva é possível avaliar com objectividade a perigosidade de incêndio florestal (vulgarmente conhecida como "risco de incêndio").


Fonte: Autoridade florestal nacional (Ver links do lado direito)

domingo, 25 de abril de 2010

A árvore

Em redor de uma árvore se constrói um mundo e a árvore pacífica esse mundo. Quando existia o "campo", as gerações mediam-se pelas árvores plantadas. Agora, que há muito o abandonámos, trazemos algumas árvores e plantamo-las no centro dos jardins, a abrir um filme, a construir o terraço de um restaurante.
Já aconteceu que o futuro da arte tivesse sido anunciado através da plantação de 7000 carvalhos numa cidade. Foi em Kassel, foi Beuys quem o fez em 1982. A árvore é metáfora de muita coisa: sob o nome de macieira (na Europa) ou de mangueira em África), ela é símbolo do destino trágico que sucede a transgressão.
Mas aqui não nos interessam muito as metáforas. Interessa-nos mais o seu lado físico, a sua energia vital presente nas cidades. A árvore liga a cidade ao tempo, assinala a mudança e a sucessão de estações, ligando os homens à História. As árvores ligam os pássaros à terra quando estes pousam nos seus ramos. As árvores sossegam a pressa das cidades: em Roma são os ciprestes, em Bruxelas os castanheiros, em Viena os álamos. Para chamar a chuva pode plantar-se milhares de acácias numa cidade como Mindelo; não é magia: é a racionalidade e a ciência ao serviço da cidade e é fantástico.
A árvore assinala sempre a vida.

RIBEIRO, António Pinto, Abrigos: condições das cidades e energia da cultura, Edições Cotovia, Lisboa, 2004

Vinte e cinco de Abril, sempre!

Em 25 de Abril de 1974, eu tinha 16 anos. Como é que um dia tão cinzento pode ser tão luminoso? Os caminhos fazem-se andando, e o nosso de 36 anos tem sido algo pedregoso mas - e é o mais importante - EM LIBERDADE!
Todos nós temos a obrigação de continuadamente honrar os bravos que o fizeram, contribuindo para FAZER PORTUGAL MELHOR!

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Comemoramos hoje o Dia da Terra!

O Dia da Terra teve a sua primeira manifestação em 1970, criado pelo senador dos Estados Unidos da América Gaylord Nelson, um activista ambiental.

O seu objectivo é nada mais nada menos do que criar uma consciência comum aos problemas de contaminação, conservação de biodiversidade e outras preocupações ambientais, para proteger o nosso planeta.


Este dia tem tido bastante aderência desde a sua inauguração. Milhares de escolas começaram por participar na manifestação, e a pressão social teve tanto êxito que foi criada nos EUA a Agência de Protecção Ambiental, assim como uma série de leis destinadas à protecção da natureza!



Todos estão convidados a participar neste dia. É uma festa que pertence a todos, mas que não é de ninguém! Sejam de diferentes nacionalidades, raças, religiões, o que quer que seja, todos devem participar neste dia.

Neste dia, devemos reflectir sobre problemas ambientais do planeta: a contaminação do ar, da água e dos solos, a destruição de ecossistemas, centenas de milhares de plantas e espécies animais em vias de extinção , e o esgotamento de recursos não renováveis. Para que, no dia seguinte, sejamos capazes de fazer alguma coisa por isso.


As soluções para estes problemas passam pela reciclagem de materiais manufacturados, a preservação de recursos naturais como o petróleo e a energia, a proibição de utilizar produtos químicos perigosos, o fim da destruição de habitats fundamentais como as florestas tropicais e a protecção de espécies ameaçadas.


Mas, porque achamos que este dia não merece palavras... Convidamo-vos a assistir ao filme "Home", que sem dúvida vos deslumbrará.

Filme HOME

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Verde e Fogo

Tomei a liberdade de criar este tópico para relembrar que se aproxima a época quente do ano de 2010 e com isto, o risco de incêndios florestais, que ameaçam inúmeros bosques e florestas todos os anos, em todo o mundo.
Apesar de todas as actividades de limpeza florestal a nível nacional, sabemos que a poluição é uma realidade associada ao ser humano e à sociedade contemporânea.
Todos os anos o número de incidentes nas florestas aumenta em comparação com o ano passado.
Em Agosto de 2009, já tinham ardido 200 000 Hectares de floresta por toda a Europa, enquanto que no mesmo período de 2008 tinha ardido uma área de 180 000 hectares.
Um aumento de 20 000 hectares, parecendo que não, é muito.
Cabe-nos a nós, um de cada vez, em cada dia, contribuir para a diminuição deste risco.

Informem-se, visualizem, reflictam e contribuam.

Fonte de estatísticas: Autoridade Florestal Nacional

Dia Eco-Escola, na Escola Secundária c/3.º ciclo de Gama Barros!

Na verdade, nos dias 7 e 8 de Maio realizar-se-ão, na nossa escola, actividades não só do Dia Eco-Escola (que já vai na sua 7.ª edição), mas também do Dia da Ludociência(5.ª edição), Dia Pró-Saúde (4.ª Edição), Escola Multicultural(2.ª edição) e Escola de Solidariedade (1.ª edição)!

No entanto, só no dia 8 a escola vai estar aberta a toda a comunidade, pelo que convidamos todos os interessados a visitar-nos, e não só participar em todas as actividades que oferecemos mas também para visitar as nossas plantas (que, já agora, não só se deram muito bem no nosso solo como em algumas já tirámos as suas redes de protecção).

Bom ambiente!

terça-feira, 20 de abril de 2010

Eco-Calendário

Datas comemorativas relacionadas/associadas com o Ambiente
Fevereiro
• 2 de Fevereiro – Dia Mundial das Zonas Húmidas

Março
• 21 de Março – Dia Mundial da Árvore e da Floresta
• 22 de Março – Dia Mundial da Água
• 23 de Março – Dia Mundial da Meteorologia

Abril
• 22 de Abril – Dia Mundial da Terra

Maio
• 3 de Maio – Dia Internacional do Sol
• 14 de Maio – Dia Mundial do Comércio Justo
• 22 de Maio – Dia Internacional da Biodiversidade
• 25 de Maio – Dia do Guarda Florestal
• 29 de Maio – Dia Mundial da Energia

Junho
• 5 de Junho – Dia Mundial do Ambiente
• 8 de Junho – Dia Mundial dos Oceanos
• 14 de Junho – Dia Municipal da Eco-Solidariedade (Sintra)
• 17 de Junho – Dia Mundial de Combate à Desertificação

Julho
• 11 de Julho – Dia Mundial da População
• 13 de Julho – Dia do Agricultor
• 28 de Julho – Dia Mundial da Conservação da Natureza

Setembro
• 16 de Setembro – Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozono
• 22 de Setembro – Dia Europeu Sem Carros

Outubro
• 1 de Outubro – Dia Nacional da Água
• 4 de Outubro – Dia Mundial do Animal
• 6 de Outubro – Dia Mundial do Habitat ( 1ª 2ª feira de Outubro)
• 8 de Outubro – Dia Internacional para a Redução dos Desastres Naturais (2ª 4ª feira de Outubro)
• 13 de Outubro – Dia Internacional da Previsão das Catástrofes
• 15 de Outubro – Dia do Parque Natural Sintra-Cascais
• 16 de Outubro – Dia Mundial da Alimentação

Novembro
• 16 de Novembro – Dia Nacional do Mar
• 23 de Novembro – Dia da Floresta Autóctone
• 25 de Novembro – Dia Mundial da Ciência
• 11 de Dezembro – Dia Internacional das Montanhas

Fonte: http://www.cm-sintra.pt/Artigo.aspx?ID=4429